Jogo das sombras

Lembro de ver nosso abraço projetado naquela parede. Suas mãos embalando meu corpo e minha alma. As mesmas mãos que mais tarde esquartejariam o meu coração.

Vi naquela parede
A sombra da incisão de meu próprio ser
Um espectro cor-luto opaco e quase sólido
De mãos que se confundiam
umas com punhais
outras borrifando rios de sangue

Disputa injusta,
As sombras, embora traiçoeiras,
não mentem, só dramatizam

Foi quando uma das mãos
Desprendeu-se do punhal
E ergueu algo que pulsava,
Em compassos, cada vez mais lentos
Ecoando sileciosamente: um coração,
que pendia gélido e agora inerte
naquelas mãos forasteiras

Um demasiado vazio.

Turvou-me os olhos a dor
Lavei-os com lágrimas em vão
e caí de joelhos esperançoso,
tateando as paredes.
Tarde de mais.
As sombras não podem ser tocadas.

Nem mais o ar,
nem mesmo a luz.

e ali no chão,
despido da existência
alguém que sentiu sede
de si mesmo.

Poemas em português Poemas insanos Poemas meio tristes

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: